Skip to main content

Pare de fazer mal a si mesmo!

 

Seus hábitos atuais podem estar te impedindo de avançar da forma que você gostaria…

 

“No começo de sua carreira, o veterinário Pedro tinha o maior cuidado antes de iniciar as suas cirurgias. Primeiro ele cuidava para que o centro cirúrgico estivesse totalmente limpo, tinha muita atenção com a esterilização da caixa cirúrgica, fazia todos procedimentos de antissepsia de forma impecável, então, todo paramentado, iniciava o procedimento cirúrgico.

Com o tempo e a famosa ‘correria do dia-a-dia’, ele passou a ser menos cuidadoso. Ainda se paramentava adequadamente, mas cuidava menos da esterilização do seu material e observava menos a limpeza da sala de cirurgias.

Passado mais um tempo, ele relaxou de vez. Antes de iniciar a cirurgia ele lavava rapidamente as mãos e calçava as luvas. Para não perder tempo, atendia o telefone durante as cirurgias. Nos dias mais corridos, inclusive fazia suas refeições dentro do centro cirúrgico. E com isso a qualidade de seu serviço foi caindo. E ele mal se reconhecia. Via que havia se perdido de si mesmo. ”

Essa história um pouco extrema ilustra que mesmo sabendo que algumas atitudes são erradas, vamos incorporando comportamentos que trazem resultados indesejados. Com o tempo, parece que deixamos de nos importar com fazer o certo e os maus hábitos vão dominando.

Qual é a causa disso então? O que reflito é que esses comportamentos ocorrem por se preferir a recompensa imediata no lugar da recompensa a longo prazo. Na história acima, a recompensa imediata (falta de cuidado com um procedimento cirúrgico) pode ser a economia de tempo. Para se ganhar alguns minutos (e ganhar tempo pode ser considerada como uma coisa boa) abre-se mão dos cuidados básicos com a higiene para uma cirurgia.

Até aí parece estar tudo bem. Mas a recompensa imediata, na maioria das vezes, é oposta à recompensa à longo prazo. Neste caso, o cuidado com o paciente e prevenção de infecções que podem apresentar risco à vida.

Esse mecanismo pode explicar porque você prefere comer uma caixa de chocolates agora em vez de chegar no peso desejado daqui a 2 meses. Ou porque é tentador trocar seu celular por um modelo mais novo, ao invés de guardar dinheiro para construir a sua casa daqui 5 anos. Ou também porque é mais tentador ficar assistindo TV do que ir para a academia e atingir o condicionamento físico desejado só após 6 meses.

Mas saber disso não pode virar um peso para você. É claro que essas recompensas a curto prazo são coisas que gostamos. Devemos reconhecer isso. E talvez falar: “apesar de ser tentador esse sorvete que eu tanto gosto, a recompensa maior de ter o peso desejado se sobrepõe”.

Todo nosso estilo de vida moderno é baseado em recompensas de curto prazo (um exemplo é ficar checando o celular a todo momento para receber uma “pequena dose de prazer” cada momento que chega uma notificação). A boa notícia é que o cérebro é muito plástico e tem grande capacidade de se adaptar. Com o tempo, se você calibrar seu cérebro para recompensas de longo prazo, se sentirá muito realizado e se vendo conquistando coisas que nem imaginava serem possíveis.

Espero que sua vida seja realmente transformada!

Uma ótima semana!

Leave a Reply